18 setembro 2008

Ajoelhou? Tem de voar! (José de Cupertino)

De acordo com os calendários religiosos. água de cuja fonte se abastece o Borda d'Água, hoje, dia 18 de Setembro é dia de S. José de Cupertino (obrigado ao Botinhas por me ter lembrado), cuja principal qualidade (do Santo, não do Botinhas...) era levitar. Sim, isso mesmo, levitar, que é uma qualidade rara que não é todos os dias que se possui, e que, salvo erro ou omissão mais grave, me sucede ocasionalmente em certas e determinadas reuniões mais entediantes. Assim sendo já não será razão de espanto ou embasbacamento maior que S. José de Cupertino seja oficialmente padroeiro dos cosmonautas e quem sabe, ainda que oficiosamente, de Susana Félix. S. José de Cupertino, que antes de ser proclamado artista de circo pelo malabarismo gravitacional tinha por sua graça Giuseppe Dessa, nasceu em Puglia em 1603. Foi um frade capuchinho que depressa se tornou célebre por uma outra menos vistosa qualidade que não a de voar, mas sim a de ser burro como as casas. Tornou-se figura iconográfica de referência para os estudantes com maiores dificuldades de assimilação de matérias, pelo facto de ser burro todos os dias. Fora hoje e S.José de Cupertino seria apenas disléxico e incluído numa turma de alunos com déficit de aprendizagem, e teria quem sabe um subsídio... De tal modo que, rezam os relatos da época, foi expulso da ordem dos capuchinhos (não confundir com os capuccinos, ordem fundada há bem menos tempo nos Conventos Starbucks), dizia eu, expulso apenas oito meses depois de outorgado nas suas funções orantes das quais se distraía constantemente. Ingressou como noviço noutra ordem, a dos franciscanos, onde, graças à sua abnegada dedicação à oração e à penitência, foi ganhando o respeito dos seus pares tendo sido admitido em definitivo. É já depois de ordenado que S. José de Cupertino começa a manifestar essa curiosa capacidade de voar baixinho, dado que entrava em êxtase (isto só visto!) com alguma regularidade. São registados mais de setenta casos, isto para registar apenas as vezes em que S. José não fumou nada de ilegal, um dos quais durante uma visita ao pontifíce Urbano VIII em Roma. Foi beatificado a 24 de Fevereiro de 1753 pelo Papa Bento XIV e canonizado a 16 de Julho de 1767 por Clemente XIII, o que prova à saciedade que mesmo no Reino dos Céus um tipo se farta de esperar por uma promoção. S.José de Cupertino emprestou parte do seu nome à fundação da cidade de Cupertino na Califórnia. A povação fundou-se na localidade de Arroyo de San José de Cupertino, que depressa viu encurtada a designação, quem sabe por dar imenso trabalho a pintar nas placas toponímicas. Mesmo a designação inicial, Arroyo de San José de Cupertino não se manteve ao longo dos tempos, sendo hoje conhecida por Stevens Creek, o que leva o autor deste texto a pensar que isto anda de facto tudo ligado.

10 comentários:

Madalena disse...

"Fora hoje e S.José de Cupertino seria apenas disléxico e incluído numa turma de alunos com déficit de aprendizagem, e teria quem sabe um subsídio... "
Permite-me uma correcção técnica: chamam-se alunos com "necessidades educativas especiais", ou simplesmente NEE...
Adorei a história.

m.camilo disse...

O que este homem não escreve para alertar que uma promoção seria muito bem vinda.
Vá lá meus senhores, ponham os olhinhos neste texto... ;)

botinhas disse...

Isto de folhear o Borda d'água antes de me ir deitar, tem as suas vantagens! ;)

Pedro Aniceto disse...

Madalena: De facto quando escrevi isto tive a sensação de que havia nomenclatura apropriada. Obrigado

Pedro Aniceto disse...

Botinhas: Keep'em coming!

Patricia Lousinha disse...

O Seringador é que é! ;)

Luisa disse...

bendito seja quem me faz sorrir!
proponho desde já a canonização do Aniceto

Pedro Aniceto disse...

Ando sem tempo nenhum para tirar o brevet... ;) Abraço, Luísa, seja bem vinda a estas páginas.

mariamargarida disse...

Isto na vida está-se sempre a aprender e a conhecer coisas, sendo esta, mesmo do Além...
Santo voador é que eu nunca tinha visto, e já cá ando há uns anos...

Subscrevo de imediato a ideia da Luísa, de canonizar o Pedro Aniceto :)
Bendito seja o sentido de humor..

Mas seria preciso um novo nome...
São Pedro já está tomado, e também já há um Santo Aniceto - 11º Papa católico, entre 154 e 166 - pensa-se que tenha sido martirizado, sendo mais tarde canonizado pela Igreja Católica.
Foi ele que lançou a "moda" do cabelo curto entre os padres: para não serem vaidosos em relação ao cabelo, proibiu- os de usar o cabelo comprido.. :)

Pedro, parabéns pela sua história, que está bem gira.
Tenho lido algumas das suas histórias, e textos, que vai publicando no seu "Reflexões de um cão com pulgas", e gosto sempre bastante, não quer fazer uma colectânea?
Penso que muitos dos seus subscritores da Mailing List " O Correio do Outros", também iriam gostar..

Cumprimentos.

Margarida Lemos.

Pedro Aniceto disse...

não quer fazer uma colectânea? Na verdade verdadinha, não é coisa que ache interessante por aí além. Na realidade o que eu precisava mesmo era de um mecenas que me patrocinasse um período sabático de um anito numa praia qualquer da Polinésia a inspirar-me para uma obra de fundo (arenoso). Abraço Margarida e obrigado por ser visita regular deste cantinho

P.S.- Mais martirizado ainda? ;)